Logo da Empresa Blog HemoClass

  TAG: #exames

Mieloma Multiplo SQN
25/02/2019 |    #Leucograma  #Padronização  #Hematoscopia  #exames
Paciente 54 anos, encaminhado ao hematologista   Eri: 3.22 / HB: 9,3 / VG: 28,1 / VCM: 87 / HCM: 29,0 / CHCM: 33,3 Leucocitos totais: 1.900 Plaquetas: 177.000   Diferencial (aparelho): Linfócitos: 59 / Monocitos: 17 / Neutrófilos: 22 / Basófilos: 2   Alarme para linfócitos reativos   Ao se analisar a lâmina se verifica um intenso rouleaux (conforme imagens), policromatofilia e ainda presença de linfócitos reativos linfoplasmocitóides.   A suspeita inicial, levando em consideração os dados clínicos do paciente, idade e hemograma, é mieloma múltiplo.   Foi solicitado pesquisa de proteína monoclonal a qual deu AUSENTE, e um FAN reagente em 1:320.   Mais pesquisas e investigações e este caso termina aonde menos se esperaria.   Exame para esquistossomose reagente!!!   Um hemograma que aponta para um rumo, mas durante o percurso se confirma outro diagnóstico. A hematologia tem disso, por isso a importância de se conhecer os processos fisiopatológicos e saber quais alterações eles provocam!!!   A ausência de proteína monoclonal afasta definitivamente a possibilidade de MM, mas a produção de anticorpos em grande quantidade contra o parasita explica os linfocitos reativos e o rouleaux eritrocitário!!! E a eosinofilia??? Na fase aguda, espera-se um hemograma com leucocito­se e eosinofilia importante com 70 a 80% de eosinófilos em sangue periférico. O exame de fezes pode ser negativo (os ovos ainda estão atravessando a parede intestinal). O diagnóstico da esquistossomose aguda é feito pelo encontro de ovos nas fezes e/ou pela sorologia associada aos dados clínicos e epidemiológicos do paciente. Entretanto, na fase crônica, os pacientes podem apresentar pancitopenia devida ao hiperesplenismo e alterações inespecíficas como aumento de enzimas hepatocelulares e outras alterações associadas com hepatopatias.   
Mieloma Multiplo
15/01/2019 |    #Leucemia  #Hematoscopia  #exames
Mieloma múltiplo Corresponde a 1% de todos os tipos de câncer e 10% de todas as neoplasias hematológicas, afetando principalmente paciente idosos, com pico de incidência entre os 60 e 70 anos. Essa doença caracteriza-se pela proliferação clonal e descontrolada de plasmócitos maduros na medula óssea, o que resulta na produção de uma proteína monoclonal (proteína "M"), geralmente uma imunoglobulina ou fragmento da mesma, que pode ser identificada no sangue (pico monoclonal na eletroforese de proteínas), na urina proteína de bence Jones ou em ambos os locais. Quanto ao componente monoclonal o detalhamento diagnóstico é realizado rotineiramente com imunofixação de proteínas no sangue na urina dosagem de imunoglobulinas e técnicas  mais recentes como a detecção de cadeias leves livres no soro (Freelite), caso este recurso esteja disponível. As principais manifestações iniciais da doença são anemia, dor óssea e infecçoes. Ao diagnóstico, o hemograma revela apenas anemia normocítica e normocrômica, com leve tendência a macrocitose, na maioria dos pacientes. Além disso, a presença de hiperparaproteinemia torna comum a observação do fenômeno de Rouleaux eritrocitário(empilhamento de hemácias) no esfregaço de sangue periférico. Vale ressaltar que os plasmócitos, geralmente abundantes na medula óssea, só são vistos no sangue periférico nos casos avançados. O mieloma múltiplo é uma doença ainda é incurável com tratamento convencional, sendo que o transplante de medula óssea autogênico ainda constitui a melhor opção terapêutica nos pacientes apto a realização do procedimento. Créditos: Dr. Valber de Freitas Matias / Flavio Naoum
Esferocitos e o Hemograma
26/11/2018 |    #Padronização  #Hematoscopia  #exames
Esferócitos: O eritrócito normalmente possui a forma de um disco bicôncavo, apresentando um halo central e uma distribuição de hemoglobina na zona periférica. Alterações em sua forma são sugestivas de doenças e devem ser, sempre que presentes, relatadas no hemograma. Os esferócitos tem as concavidades reduzidas, atingindo um formato esférico. Não possuem o halo central mais claro, e ainda pode ser visto como hemácia com tamanho relativamente menor do que as hemácias normais. Diferentemente do que muitos pensam o esferócito NÃO é exclusivo da esferocitose hereditária. Qualquer quadro de hemólise pode induzir a formação de esferócito. A presença de esferócitos juntamente com aumento do CHCM pode, desta forma, sugerir um quadro de esferocitose hereditária. Como relatar: Deve ser visto a quantidade de esferócitos por campo e quantificar em cruzes (+,++,+++,++++), ou de forma discreta, moderada e intensa. O que significa: Um quadro de hemólise tanto intra quanto extravascular.
Neutrofilo Hipersegmentado
16/10/2018 |    #Leucograma  #Hematoscopia  #exames
Esta célula corresponde à um neutrófilo maduro, que está circulando à mais tempo que deveria. Devido à algum problema de produção, ele permanece mais tempo no sangue periférico, lobulando mais. A lobulação maior que o normal acontece não por um quadro específico, mas é consequência deste tempo aumentado de permanência.   Critérios de identificação: Até pouco tempo se definia a presença de um neutrófilo com 7 lobos ou 2 com 6 lobos já pode ser considerada como presença de neutrófilo hipersegmentado. Atualmente a recomendação é: A hipersegmentação é definida quando qualquer neutrófilo exibe mais de 6 lóbulos ou mais de 3% dos neutrófilos apresentem mais de 5 lóbulos(PNCQ).    Como liberar: Não é necessário quantificar, somente relatar a presença de neutrófilo hipersegmentado já é suficiente. O termo desvio a direita também se aplicava antigamente à este quadro, mas esta em desuso.   O que significa: Um quadro de problemas de produção. Relacionado em 90% dos casos com anemia megaloblástica por deficiência de folato e/ou vit. B12. Nesta situação a medula óssea encontra dificuldade para realizar mitoses em todas as linhagens, acometendo não só as hemácias, mas também os neutrófilos. Também podem estar presentes em síndromes mielodisplásicas e em pacientes em quimioterapia com antagonistas do ácido fólico.   Esta célula não é reativa. Erroneamente em alguns relatos mais antigos, relacionava-se os neutrófilos hipersegmentados com infecções virais, mas isso não é verdade.
LMA com corpos de PHI
24/09/2018 |    #Leucemia  #Hematoscopia  #exames  #HemoClass Leucemias
Visualização de Corpos de Phi em Leucemia Mielóide Aguda: Relato de um Caso. 1MERISIO, Paulo Roberto       Artigo publicado no CBAC - 2013 Introdução: Assim como bastonetes de Auer, os corpos de Phi são visualizados em células precursoras mielóides na LMA, e patognomônicos desta doença. Estas partículas são mais numerosas e vistas com maior frequência que os bastonetes de Auer e podem ser identificadas com a coloração usual de Romanovsky e melhor evidenciadas na coloração da mieloperoxidase, sendo que nesta coloração os corpos de Phi são mais proeminentes que os bastonetes de Auer na coloração de Romanovsky. Estas inclusões são derivadas da catalase, diferente dos bastonetes de Auer que são derivados de peroxidases dos grânulos primários. Os corpos de Phi estão presentes em maior intensidade na LMA ativa, e seu aparecimento auxilia na diferenciação desta doença da LLA e LMC em crise blástica. Em casos de cloroma, evidencia-se os corpos de Phi na coloração da mieloperoxidase tanto no tumor fixado quanto nas células derivvadas de derrame pleural, e auxiliam o diagnóstico na ausência de outras manifestações da LMA. Não se tem relatos de observação destes corpos em outras doenças ou em indivíduos normais. A monitoração da visualização dos corpos de Phi podem ajudar na orientação clínica da leucemia, pois diminuiram com a melhora do quadro clínico e também reapareceram na reincidiva da doença, em pacientes que estavam em remissão completa. Paciente e Métodos: O caso relata um paciente masculino, 19 anos, com queixas de cansaço, tonturas, epistaxe e sangramento gengival. Clinicamente observa-se petéquias na superfície dos braços. O hemograma revela uma anemia leve, uma leucocitose (53.600/µL) e uma trombocitopenia (76.000/µL). A contagem diferencial revela 38 blastos, 8 linfócitos, 35 bastonetes e 17 segmentados, com numerosos grânulos arredondados com características de corpos de Phi no citoplasma dos blastos. O paciente foi encaminhado para exames confirmatórios e diagnosticado definitivamente com LMA m2 através da imunofenotipagem e citogenética. Conclusão: Sugere-se que a observação de blastos com corpos de Phi seja um forte indicador para o diagnóstico de Leucemia Mielóide Aguda, não descartando a necessidade de imunofenotipagem e citogenética para o diagnóstico definitivo e caracterização do subtipo da LMA.
A CIVD na LPA
17/09/2018 |    #Leucemia  #Hematoscopia  #exames  #HemoClass Leucemias
A CIVD na LPA   Vários casos de leucemia promielocítica aguda (LMA m3 / LPA) cursam com evolução para Coagulação Intravascular Disseminada. Isso acontece geralmente no início do processo, pela saída dos pró-mielócitos neoplásicos da medula óssea. Estas células possuem uma certa rigidez, por isso a saída delas é difícil e também a LPA clássica se apresenta, na maioria das vezes, com leucopenia.   A circulação dos pró-mielócitos neoplásicos é o que ativa o sistema de coagulação. Estas células passam a liberar granulação primária na circulação, e isso ativa fator VII e também plaquetas via FvW. Neste contexto se inicia o processo de formação de fibrina e agregação plaquetária. Como a distribuição destas células é uniforme por toda a circulação, o processo de coagulação acontece de modo disseminado, caracterizando a CIVD.   Desta forma acontece consumo dos fatores da coagulação, o que explica o prolongamento do TAP e do TTP, mesmo em processo trombótico, e também o consumo de plaquetas. As plaquetas estão diminuídas não só pelo consumo da CIVD, mas também pela diminuição de sua produção na medula óssea, devido ao processo leucêmico. Um bom marcador nestas situações é o D-dímero, que se espera aumentado. Esta molécula é um produto da degradação da fibrina formada e esta presente em processos de trombose, tromboembolismo e situações de ativação da coagulação.   O processo de CIVD é o que leva o paciente com LPA procurar o serviço de saúde, e nestes casos acaba sendo feito o diagnóstico, o qual depende de um serviço de hematologia de credibilidade e com profissionais capacitados para identificar o quadro e sugerir os caminhos corretos da investigação.   Em breve lançaremos o nosso curso ONLINE HemoClass LEUCEMIAS, que abordará todos os aspectos de todos os subtipos de leucemias. Fique por dentro de todas as novidades deste curso cadastrando seu email no link abaixo:   http://4b686a1.contato.site/cadastrohemoclassleucemia
Páginas: <    1     2     3     4     >
(45) 99902-3030
contato@hemoclass.com.br